RAIO X

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

O raio X é uma ferramenta de extrema importância que é utilizada na medicina dentária. Permite verificar o estado dos dentes, das gengivas, dos maxilares e da estrutura óssea de uma boca ao diagnosticar quais os seus problemas principais. Saiba o que é o raio X e como é utilizado e conheça quem o deve fazer e com que frequência.

 

O aparecimento do raio X

 

Em 1895, o físico Wilhelm Roentgen estava fascinado com o funcionamento dos tubos catódicos e com o que estes poderiam fazer. Ele descobriu que os raios emitidos poderiam passar por determinados objetos sólidos e deixar uma imagem sombria desse mesmo objeto numa tela fluorescente. Roentgen ficou ainda mais impressionado ao descobrir que quando os raios atravessavam as partes do corpo, como por exemplo as mãos, os ossos que se encontravam sob a pele tornavam-se visíveis numa tela. Uma vez que ele não sabia exatamente o que estava a causar esse fenómeno, decidiu rotular esses raios com um “X”, que era o símbolo matemático usado na altura para algo desconhecido.

 

O que é o raio X e como se aplica na medicina dentária?

 

Os dentes e os ossos são partes densas do corpo humano que absorvem os raios X, no entanto, as gengivas e as bochechas são muito menos densas e é por isso que os raios X passam por elas com uma maior facilidade. As bochechas e as gengivas aparecem mais escuras e sem qualquer detalhe num raio X, ao passo que os dentes são mais brilhantes. Os compósitos de resina ou as amálgamas são ainda mais densos que os ossos e aparecem num raio X com uma área branca brilhante. Assim como as cáries dentárias, que surgem através de uma mancha escura junto a um dente brilhante.

 

Atualmente, os cientistas afirmam que o raio X é uma forma de energia que viaja através de ondas. Ele pode atravessar objetos sólidos e mostrar algo que, à partida, se encontrava imperceptível ao olho humano. Quanto mais densos forem os materiais que o raio X atravesse, mais eles são absorvidos e menos deixam passar a imagem.

 

Como são utilizados os raios X pelo dentista?

 

Os raios X dentários são também chamados de radiografias dentárias e são, sem dúvida, uma das ferramentas mais valiosas que um dentista tem à sua disposição para o tratamento de uma boca e dentes saudáveis. Ao compreender a forma como a boca está estruturada, o dentista pode diagnosticar eventuais problemas que possam estar a afetar a saúde oral de uma pessoa. Nos adultos, os raios X permitem verificar os aspetos seguintes:

  • Detectar cáries escondidas em áreas que o seu dentista não é capaz de ver apenas com um exame visual;
  • Descobrir cáries que se desenvolvem por debaixo de amálgamas ou compósitos de resina;
  • Encontrar fissuras ou outros estragos nos dentes que já foram corrigidos;
  • Alertar o dentista para a perda óssea associada à periodontite;
  • Revelar problemas existentes nos canais das raízes, tais como infeções ou problemas dos nervos;
  • Ajudar o dentista a traçar um plano de trabalho, nomeadamente, na preparação e colocação de implantes ou aparelhos dentários e ortodônticos;
  • Mostrar anormalidades, como quistos, cancros orais e alterações associadas a doenças metabólicas e sistémicas.

É de realçar que, nas crianças, as radiografias dentárias são utilizadas para acompanhar o crescimento e o desenvolvimento dos dentes. A utilização periódica do raio X permite verificar se existe espaço suficiente na boca para caber todos os dentes, se os dentes de leite dão lugar aos dentes permanentes e se existe algum que não está a emergir corretamente das gengivas. Na maioria das vezes, os maiores problemas dentários são evitados graças a um bom diagnóstico e o raio X é uma excelente ferramenta para o conseguir.

 

Com que frequência se deve realizar um raio X aos dentes?

 

Apesar do raio X não poder ser considerado um exame de rotina, uma vez que emite pequenas cargas radioativas, muitas pessoas necessitam de fazer radiografias regularmente para que a sua condição dentária possa ser monitorizada. O número de vezes que é preciso fazer um raio X depende do historial clínico e dentário de cada paciente. No entanto, para todos os que realizam um check-up dentário regular e que não têm qualquer tipo de doenças nas gengivas, o raio X pode ser realizado a cada 5 anos.

 

Quem o deve fazer?

 

Existem determinadas pessoas que devem fazer um raio X com maior frequência. São elas:

 

  • As crianças

 

A maioria das crianças precisa de fazer um raio X a cada ano, porque elas são mais suscetíveis de desenvolverem cáries dentárias. Os raios X também ajudam a monitorizar o desenvolvimento dos dentes.

 

  • Os adultos que têm dentes restaurados

 

Todos os adultos que têm dentes restaurados devem verificar se existem sinais de cáries debaixo dos trabalhos dentários que já foram efetuados.

 

  • Todas as pessoas que consomem bebidas com açúcar

 

As bebidas com açúcar, como o leite com chocolate, café ou chá podem criar as condições ideais para a formação de uma cárie dentária.

 

  • As pessoas que sofrem de periodontite

 

Os que sofrem de periodontite precisam de realizar raios X com regularidade para verificar se continuam a existir perdas ósseas que afetam os tecidos que envolvem e apoiam os dentes.

 

  • As pessoas que tomam medicamentos que conduzem à boca seca

 

A saliva ajuda a manter os níveis de ácido da boca estáveis. As pessoas que têm a boca seca estão suscetíveis à desmineralização dos dentes e isso conduz ao estabelecimento de cáries dentárias. O raio X ajuda a verificar os níveis de ácido e se os dentes estão a ficar ou não desmineralizados. Os medicamentos que decrescem a produção de saliva são aqueles que são prescritos contra a hipertensão, os antialérgicos, antidepressivos, anti-histamínicos, descongestionantes, analgésicos e diuréticos.

 

  • Os fumadores

 

É fundamental que os fumadores realizem com frequência um raio X, pois o ato de fumar aumenta o risco de aparecimento de uma doença periodontal.

 



 

Fonte: Gengiva.com